Relatório Black Friday 2019: Saúde e Beleza lideram com alta de 464% nas vendas

 

Na semana passada, a Black Friday 2019 registrou o maior pico de vendas de todos os tempos no país. Na Criteo, mergulhamos nos dados de 1,9 bilhão de consumidores ativos que vemos por mês para descobrir o que foi destaque este ano. Otimizamos a forma de processar as transações do Criteo Shopper Graph, nossa imensa base de dados de consumidores, e, pela primeira vez, conseguimos analisar com mais detalhes as vendas por categoria.

O que vimos:

1. As vendas da Black Friday 2019 foram 26% maiores que na Black Friday 2018

No ano passado, gastamos muito tempo examinando as tendências e explicando por que a Black Friday tornou-se um fenômeno global. Se você tiver curiosidade sobre dados de vendas por país, confira nosso painel sazonal interativo aqui.

A Black Friday 2019 (29 de novembro) começou uma semana mais tarde do que em 2018 (23 de novembro), mas as vendas e o tráfego começaram a subir já no início de novembro. É nessa época que muitos consumidores, aparentemente, começam a entrar no clima das promoções. Em seguida, observamos uma queda nas taxas de conversão uma a duas semanas antes do evento, provavelmente enquanto as pessoas aguardavam as ofertas do grande dia.

A Black Friday 2019 viu, em média, um aumento de 336% nas vendas e de 170% no tráfego. Em 2018, a Black Friday registrou um aumento de 310% nas vendas. Isso representa um pico de vendas superior a 26% em 2019 em relação ao ano passado.

2. Saúde e Beleza arrasaram

No que se refere à performance durante a Black Friday 2019, o setor de Saúde e Beleza liderou com uma margem significativa. As vendas aumentaram em 464%. Os Artigos Esportivos ficaram em segundo lugar, com um aumento de 426%. Varejistas do setor de computação e alta tecnologia viram um aumento de 379%.

Com uma alta de 343%, os itens Moda e Luxo, como roupas e joias, ficaram à frente da categoria Brinquedos e Gadgets (+320%).

3. Há oportunidades para todas as categorias

É fácil olhar os números dessas categorias e ver uma história de sucesso para seus varejistas. Outra história é olhar aquelas que registraram uma performance aquém do esperado: Material de Construção, Bricolagem e Design de Interiores (+144%), Educação, Juventude e Família (+109%) e Cultura/Mídia/Ingressos para Eventos (+56%).

Essas categorias talvez não recebam tanta atenção durante a Black Friday porque, em geral, não vendem itens que as pessoas costumam dar de presente. Mas, para varejistas e marcas que atuam nesses segmentos, isso pode representar uma oportunidade de pensar sobre a segmentação de audiências específicas para o evento e sobre promoções exclusivas.

Você criou uma campanha que oferece um belo desconto na Black Friday na compra de ingressos? Para aquele show imperdível? E como ter certeza de que sua campanha está segmentando o público que tem maior potencial de estar interessado no seu produto ou serviço?

4. Thanksgiving Day (28 de novembro) = Mais um dia de vendas?

Nos EUA, parece que após as tradicionais reuniões em família no Thanksgiving (Dia de Ação de Graças), com tudo a que se tem direito, de longas refeições a clássicas discussões, muitos gostam de ir às compras pelo smartphone. Isso segue um padrão de alta nas vendas mobile. Portanto, há algo a ser dito sobre a psicologia desse comportamento do consumidor. Neste último Thanksgiving, descobrimos que 59% das transações aconteceram no mobile.

Nos EUA, esse feriado é dedicado aos encontros em família, e os americanos viajam longos quilômetros para juntar-se aos parentes. No entanto, como a data é celebrada toda última quinta-feira de novembro, anterior à sexta-feira da Black Friday, tão logo as pessoas tenham um tempinho, vão logo espiar as ofertas. E, mais do que nunca, o smartphone vem sendo o dispositivo favorito para isso.

5. Os apps ganham cada vez mais espaço.

Com 59% das transações no mobile, as compras no Thanksgiving Day foram ligeiramente mais concentradas no smartphone do que na Black Friday deste ano. Na Black Friday, esse percentual foi de 57%. Mesmo assim, o feito é notável: a maioria das compras digitais em 2019 ocorreu no mobile.

As transações em aplicativos, em particular, mostraram um crescimento visível desde o ano passado. Na Black Friday de 2019, as vendas in-app aumentaram em 146% em relação a outubro de 2019.

O que dizem os consumidores — e o que eles fazem

Ao analisarmos esses números, também estudamos os dados de uma pesquisa que realizamos com consumidores dos EUA sobre planos de compras para a Black Friday.

Os consumidores nos EUA pretendiam comprar mais produtos de beleza?

Sim. Quando perguntamos se pretendiam gastar mais em produtos de beleza durante a Black Friday, 31% dos indivíduos da Geração Z e 32% dos millennials responderam que sim.

Quer segmentar também por país e geração? Confira nosso gráfico:

 

 

Também perguntamos o que consumidores no mundo todo pretendiam comprar durante a Black Friday 2019:

 

 

Na Criteo, estávamos interessados em ver as diferenças entre as categorias de produtos. Para nós, tudo é uma questão de publicidade, e não de demanda. O setor de Saúde e Beleza até pode ser o mais popular, mas claramente as poderosas campanhas veiculadas no final de semana da Black Friday têm grande participação nisso. O aumento nas vendas de Artigos Esportivos foi outro achado surpreendente. Nos EUA, especificamente, talvez muitas pessoas já estejam pensando nos esportes de inverno durante o feriado do Thanksgiving.

Sabemos que a Black Friday é extremamente aguardada por varejistas de todos os tipos e tamanhos, mas é interessante dar uma olhada nos números além da superfície. Isso pode ajudar as empresas a entender melhor o comportamento da audiência e planejar o futuro com mais estratégia.