Comércio eletrônico nas Américas – impacto do Coronavírus

 

Neste post vamos abordar uma pesquisa enorme feita pela Criteo que acaba de ser publicada sobre o estado atual do comércio eletrônico e as consequências dos impactos da pandemia de COVID-19 nas Américas. Ela foi realizada a partir de dados coletados de mais de 80 países, constituindo uma base de análise de 2 bilhões de consumidores ativos por mês que movimentaram US$ 900 bilhões anualmente em aproximadamente 20 mil sites de e-commerce no planeta, totalizando informações de vendas de mais de 10 bilhões de produtos.

Os dados apresentados mostram as performances dos mercados de comércio eletrônico nos Estados Unidos, Canadá, México, Brasil e consolidam as dos outros países da América Latina como um todo.

De forma geral, a maioria das categorias analisadas mostram um aumento das vendas durante o início da aplicação das medidas de isolamento social em março de 2020, o que elevou bastante o volume de vendas online e foi especialmente benéfico para os resultados de abril. Em maio, esses volumes iniciam um viés de queda, porém ainda em patamares maiores do que os apurados nos primeiros meses do ano, sinalizando para uma diminuição gradual para os próximos meses. Este comportamento de diminuição reflete, de maneira geral, as medidas de abrandamento e flexibilização do isolamento social, ou seja, na medida que ficam liberados para saírem de casa, os consumidores voltam aos hábitos de consumo offline que tinham antes do isolamento.

Este primeiro insight é importante, mas vale também pontuar algumas exceções de produtos que se mantém em alta e categorias que, por conta das sazonalidades, não se comportam da mesma forma. Podemos observar este como sendo o caso nos EUA dos artigos de Luxo, Beleza e Saúde, Artigos Esportivos e, especialmente, Decoração e Jardinagem, por exemplo, que mantém as vendas em alta, alcançando o dobro de vendas em relação ao mesmo período de 2019. Sendo que estes últimos se beneficiam da sazonalidade do início do verão.

Alguns produtos específicos também chamam a atenção pelo crescimento de vendas no período de isolamento e manutenção desses níveis – e até com vieses de incremento – nos meses seguintes. Em uma rápida análise podemos listar produtos como tornozeleiras, shorts-saia, camisas de manga comprida, TVs, monitores para computador, cabos para informática, leite e derivados, aparadores, softwares de edição de som, softwares financeiros e utilitários, entre outros.

Para a América Latina, excluindo Brasil e México, alguns produtos também chamam a atenção. São os casos de produtos para animais de estimação, pijamas e roupas para bebês, casacos, café e artigos para padaria, camas, lençóis e colchões, cosméticos e outros produtos de cuidados pessoais, sabões para roupas, refrigeradores, aspiradores de pó, artigos esportivos em geral, mas particularmente monitores cardíacos, artigos de recreação externa, para exercícios e ciclismo, e brinquedos de forma geral, mas especialmente bonecas e bonecos de ação.

Para o Brasil, estamos preparando um post especial com várias informações super relevantes que ajudará você a tomar decisões melhores para o seu negócio online. Enquanto isso, você pode conferir a evolução das vendas de diversas categorias no site do nosso Painel de Impacto do Coronavírus. Fique ligado para mais sobre o mercado online por aqui e não deixe de entrar em contato caso queira saber mais sobre nossas soluções e como elas podem ajudar você a fazer seu negócio crescer, mesmo neste cenário de isolamento social e quarentena.